Reiki  

     Há mais de 90 anos, Mikao Usui, o fundador do Método Reiki, em uma entrevista disse: “Estudiosos e especialistas fazem pesquisas apaixonadas neste campo, mas tem sido dificil até agora chegar a uma conclusão baseada na ciência médica. Acredito que em um futuro próximo poderá ser explicado pela ciência”.

     Pesquisas científicas com resultados comprovados estatisticamente estão sendo realizadas há mais de 30 anos nos EUA, onde o Reiki começou, no ocidente. Instituições como The Harvard Community Health Plan; The Medical Center of Massachusetts; Englewood Hospital and Medical Center; Emerson Hospital e outros utilizam o método Reiki como coadjuvante, com excelentes resultados, conforme relatam Libby Barnett e Maggie Chambers em seu livro “Reiki- Medicina Energética”. Neste livro existem muitos depoimentos de aplicações de Reiki em Hospitais bem sucedidos, em Hospitais. Casos de melhoria de hérnia, fraturas de crânio com hemorragias, acidentado em moto que teve vértebras fraturadas, redução de tumor fibróide, redução de dor e sangramento, etc. Além disso ficou constatado: redução da necessidade de medicamentos, redução de analgésicos, agilização de resultados, diminuição de pânico e medo nas cirurgias, aumento da circulação (ficam mais corados), os pacientes relaxam mais e por mais tempo, mulheres na gravidez apresentam menos problemas e menos necessidade de medicamentos.   

     Pesquisas mais recentes demonstraram o aumento significativo do índice de hemoglobina em anêmicos; Dr. Moritz Harder, com exames de sangue, antes e após a sintonização comprovou 83% de eficácia no Reiki enviado à distância e 86% no Reiki feito presencialmente.

     No Brasil, o pesquisador e biólogo Ricardo Monezi pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em sua tese de Mestrado comprovou que o Reiki age positivamente na redução do stress, diminuição da ansiedade e depressão. Fez experiências com 60 camundongos e demonstrou a eficácia no aumento da imunidade. Nos ratos que receberam Reiki, as células defensoras dobraram a sua capacidade de destruir células cancerígenas. No grupo que não recebeu Reiki não houve diferença significativa. Segundo Monezi: “Não se trata de milagre ou curandeirismo, mas sim de um trabalho terapêutico efetivo, cientificamente embasado. A constatação no estudo de que a imposição de mãos libera energia capaz de produzir bem-estar foi possível porque a ciência atual ainda não possui uma precisão exata sobre esses efeitos. A ciência chama estas energias de energias sutis, e também considera que o espaço onde elas estão inseridas esteja próximo, às ondas eletromagnéticas de baixo nível”. Segundo pesquisas do Mestre William Lee rand de Michigan, foram feitas pesquisas na Universidade de Colorado com um aparelho Supercondutor de Interferência Quântica, no qual o Dr. John Zimmerman descobriu que campos magnéticos de ondas alfa e gama, raios infravermelhos e outras variedades de fótons são criados ao redor das mãos dos terapeutas de Reiki. As mãos dos terapeutas alcançaram  um valor de 0,002 Gauss o qual é 1000 vezes mais forte que qualquer outro campo do ser humano. O campo alcançou a freqüência de 30 Hertz ao passo que a maioria vibra em torno de 7 a 8 Hz.  

     O Reiki e as Terapias Holísticas são reconhecidos pela Organização Mundial de Saúde- OMS- desde 1962 como uma terapia benéfica à saúde física, emocional e mental. No Brasil o Reiki ainda é muito recente. Começou a ser mais conhecido na década de 90. Já é aceito em alguns Hospitais de renome como o Hospital Albert Einstein e o Sírio Libanês em São Paulo.       

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Rua Timbiras, 2250 sl. 201

Lourdes.

Belo Horizonte. MG

Cep: 30.140.061

Tel: (31) 3213-8843

falecom@agendaholistica.com.br

© 2023Alternativa. Orgulhosamente criado com Wix.com

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • b-googleplus
1231393_1414046752143160_1966141731_n(2).jpg